5.0

Comportamento

A mentira nossa de cada dia

Mentira

Ninguém gosta de ser chamado de mentiroso, mas basta olhar em volta para perceber que a mentira se configura como importante elemento em nossos relacionamentos sociais.

Segundo Robert Feldman, professor de psicologia da Universidade de Massachusetts, uma pessoa comum mente pelo três vezes no decorrer do dia. É claro que não se trata aqui apenas da mentira maliciosa e que visa ludibriar os incautos, mas de uma série de mentiras, entre elas, aquela que os psicólogos batizaram de mentiras cosméticas.

Mentiras cosméticas são aquelas que não visam prejudicar o outro, mas faz o mentiroso parecer mais forte, mais bonito, mais rico, mais inteligente, mais vivo. È o famoso "contar vantagem".

Não por acaso o termo cosmético vem de “kosmo”, termo grego que significa aquilo que é perfeito ou que contém a perfeição.

Analiso que essa propensão a maquiar a verdade, é resultante das transformações pelas quais a sociedade vem passando desde o fim da Idade Média quando o capitalismo passou a ditar as regras, o indivíduo deixou de acreditar em uma ordem divina e superior que impunha condições à existência. Sob a égide do Deus dinheiro a vida em sociedade, se transformou em uma grande e incessante competição.

Quando sabemos que seremos avaliados e falseamos a realidade de maneira que ela pareça mais bela e harmoniosa, estamos repetindo a ação da moça diante do espelho que, pouco antes de se apresentar, aplica uma pincelada de maquiagem para esconder uma mancha na pele ou uma ruga no canto dos olhos.

Nos dias atuais, graças a popularização das câmeras de vídeos e a internet, a vida se transformou em um grande reality show onde todos estão dispostos a espreitar a vida alheia e oferecer a própria vida para ser espreitada.

Estamos o tempo todo sendo avaliados e comparados a personagens de revistas, televisão ou cinema. Ser comum não tem valor. A necessidade de se apresentar bem é tanta que carregamos conosco um grande estojo de maquiagem com todo material necessário para ressaltar, ocultar, revelar, minimizar ou criar traços e qualidades que julgamos necessários a nossa boa apresentação.Que mal há nisso?

Poderia, deixando de lado imperativos filosóficos e religiosos, dizer que não há mal nenhum, desde que essa mentira também não se dirija a você mesmo e venha a se tornar um autoengano. Quando isso acontece, a mentira se torna uma venda que nos impede de perceber a realidade que nos rodeia e, sem condições de encarar a realidade, passamos a viver na mentira e da mentira.

Você pode nem aparentar a idade que tem. Pode até mentir dizendo que tem menos ou mais. Mas você precisa ter consciência da idade que tem. Você pode não aparentar a classe social a que pertence. Pode até mentir dizendo que é mais rica ou mais pobre. Mas você precisa ter consciência das suas reais possibilidades financeiras. Você pode até se portar, diante dos outros, como um sábio, mestre ou doutor, mas você precisa ter consciência das suas limitações intelectuais.

A noção da realidade é primordial para que não nos deixemos engolir pelo personagem mentiroso que nos precede. Quem não assume para si a idade que tem acaba se portando como retardado que, querendo se mostrar jovem, se mostra patético. Quem não conhece sua real condição financeira acaba falido. Quem acredita que sabe tudo, acaba se tornando uma “Magda” na vida.

Em um mundo pautado pela negociação e onde falar a verdade, somente a verdade e nada mais que verdade, muitas vezes denúncia uma inabilidade no trato social, mentir para os outros pode até ser uma opção e uma estratégia de sobrevivência, mas mentir para si mesmo é um erro que custa caro.

Tirar a venda e se olhar de frente, se analisando física e psicologicamente não é tarefa fácil. No começo pode ser difícil aceitar que você não é a moça da televisão e nem mesmo a mulher decidida, segura e feliz que se apresenta no facebook, mas é o caminho mais seguro para a felicidade. O resto é ilusão. Alienação que aprisiona, enfraquece e rouba qualquer possibilidade de crescimento.

Conheça a verdade e ela te libertará.

Julio Kadetti


Julio Kadetti

Filósofo

 Julio Kadetti é escritor, roteirista, filósofo graduado pela Universidade Mackenzie e Sociólogo Pós graduado pela Universidade Gama Filho.

Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.