5.0

Comportamento

Cinquenta anos...

50 Anos

Uma mulher bonita não é aquela de quem se elogiam as pernas ou os braços, mas aquela cuja inteira aparência é de tal beleza que não deixa possibilidades para admirar as partes isoladas. (Séneca – Filósofo romano do século 4 a. C.)

Ok, você fez 50 anos, e agora?

Se estivéssemos na década de 1960, quando a estimativa de vida era bem menor, eu diria que o melhor é você escolher um pijama bem confortável e ficar sentada na sala, vendo televisão, enquanto espera a morte.

Mas a estimativa de vida de uma mulher hoje é muito maior. O mundo mudou. Se deixar levar pela crise e ficar sentada esperando a morte seria uma perda de tempo, alias, de muito tempo.

Se olhe no espelho. Se toque. Se valorize. Há mesmo motivo para lamentar não ter 20 anos.

Onde você estava quando tinha 20 anos? Chorando por uma paixão que você jurava ser eterna? Pedindo dinheiro aos pais para pagar o batom? Fingindo orgasmo para não humilhar o namorado ruim de cama? Levando serviço para casa para enriquecer chefe egoísta?

Ser jovem não significa ser mais bonito ou ser mais feliz. A palavra jovem, no dicionário está ligada ao termo ingênuo. E no mundo de hoje ser ingênuo é um grande perigo.

Melhor que ser ingênuo, é ser experiente. Saber dizer sim e não. Saber quando dizer sim ou não. Saber por que se está dizendo sim ou não.

Chega de mamãe mandou. Chega de papai falou. De marido exigiu. De chefe impôs. A melhor maneira de vencer a crise dos 50 é tomando em suas mãos as rédeas do destino.

Temos o hábito de dizer que o passado era melhor. É comum ouvir alguém dizendo que “antigamente” era melhor. Confesso que não sei bem o que significa “antigamente”. Se antigamente é o tempo que passou, então pode significar 1 minuto, 1 dia, 1 mês, 1 ano, 1 século, 1 milênio.

Se referir ao passado como “no meu tempo”, também não tem sentido. Meu tempo, seu tempo é agora. Quando você está viva, linda e plena. Pronta para assumir a responsabilidade por fazer as coisas a seu modo.

Todo mundo fala da crise dos 50. E é verdade, a crise existe, mas não é exclusiva dos 50, a crise está presente em todos os momentos da existência humana. A criança entra em crise quando chega à adolescência. O adolescente entra em crise quando chega à fase adulta. O adulto entra em crise quando chega aos 30, 40, 50, 60, 70... Ou seja, a existência humana é uma sucessão de crises que precisam e vão sendo superadas.

Por que lamentar o que foi quando ainda há tanto por vir? Chega de achar que antigamente era melhor. Não era. Se o passado te chamar, não atenda. Ele não tem nada de bom para te dizer. Comemore os 50 com a certeza que o melhor da vida está só começando.

Julio Kadetti


Julio Kadetti

Filósofo

 Julio Kadetti é escritor, roteirista, filósofo graduado pela Universidade Mackenzie e Sociólogo Pós graduado pela Universidade Gama Filho.

Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.