5.0

Comportamento

Preconceito

Da Coroa ao Cajado

Nunca é tarde para abrirmos mão dos nossos preconceitos.
(Henry Thoreau)

Preconceito é um "juízo" preconcebido, uma opinião discriminatória diante de pessoas, lugares ou tradições que consideramos diferentes. O preconceito se fundamenta na ignorância em relação a alguém ou alguma coisa nova ou diferente. As formas mais comuns de preconceito são: social, "racial" e "sexual".

Confesso que não foi com entusiasmo que recebi a incumbência de ler e opinar sobre o livro Da Coroa ao Cajado. Aceitei, mas impus uma condição; liberdade para riscar todos os trechos que não me agradasse.

Caneta em punho, pronto para fazer picadinho do livro da loira, iniciei a leitura. Cinco paginas depois, completamente absorvido pela história, tinha deixado de lado a caneta e substituído o preconceito por uma certeza; se tratava de uma grande história.

Li em uma sentada e, terminada a leitura, ainda sob o impacto da história, não pude deixar de relacionar o relato visceral de Jacqueline Meirelles com o fundamento da filosofia existencial de Martin Heidegger; o homem é um ser que existe na frente de si mesmo, um ser que está sempre se projetando para além das fronteiras do mundo onde se encontra submerso. Um ser que, antecipando suas possibilidades, encara a angústia como desafio ao seu poder de tornar-se o que deseja.

Jacqueline Meirelles não estudou filosofia e nunca leu Heidegger, mas escreveu uma obra que corrobora o filósofo alemão quando esse afirma que a angústia, dentre todos os sentimentos humanos, é o único capaz de despertar no homem o desejo de reconstituir a personalidade perdida e retomar as rédeas da sua existência.

Da Coroa ao Cajado é a emocionante história de uma mulher que encontrou na religião e na fé um caminho para vencer a depressão e emergir do abismo onde tinha mergulhado. A História de uma mulher que, podendo viver como princesa de contos de fadas, preferiu o campo de batalha e, como Joana D’arc, iluminada por uma força maior, enfrentou o desafio de produzir um mundo onde, apesar de toda limitação, pudesse existir como ser pensante, autêntico, sempre em transformação, mas capaz de, vencendo a angústia, retomar as rédeas do seu destino, e juntar os pedaços que as mesquinharias da vida tinham espalhados.

Julio Kadetti


Julio Kadetti

Filósofo

 Julio Kadetti é escritor, roteirista, filósofo graduado pela Universidade Mackenzie e Sociólogo Pós graduado pela Universidade Gama Filho.

Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.