5.0

Comportamento

Idiossincrasia

Idiossincrasia

Os gregos usavam o termo Idiossincrasia para definir a diferença de temperamento que leva cada indivíduo a reagir de maneira única diante da mesma situação.

Essa idiossincrasia é nosso maior patrimônio. É inalienável e precisa ser preservada a todo custo. Infelizmente, a maioria de nós não luta o suficiente para proteger bem tão precioso, mas, ao contrário, na ânsia de ser aceito pelo grupo, preferimos empurrar sentimentos e desejos para um canto escuro.

Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço fundador da psicologia analítica, utilizou o conceito de “sombra” para definir um aspecto da natureza humana (sentimentos e desejos) que o ser humano, por medo, rejeita e procura esconder, não só dos outros, mas também de si mesmo.

Segundo a psicologia, esse esforço para rejeitar o que deveria ser assimilado é responsável por produzir diversas fobias, entre elas, a síndrome do pânico, onde a pessoa, tomada por uma inexplicável sensação de que algo terrível irá acontecer, sente que pode morrer de forma trágica nos minutos seguintes.

Comum também é a homofobia que toma conta de homens e mulheres que não aceitam o fato de se sentirem atraídos por pessoas do mesmo sexo. Ao tentar isolar este desejo no seu lado escuro, a pessoa vai ficando de tal forma carregada a ponto de resvalar para violência contra aqueles que, até involuntariamente, despertam o desejo que está reprimido.

Graças a uma educação maniqueísta, crescemos acreditando que o mundo se divide entre mocinhos e bandidos, entre bons e maus. Infelizmente a coisa não é tão simples assim. Só na ficção o mocinho é perfeito. Na vida real mesmo os mocinhos, em determinadas situações, revelam um traço de caráter que chega a ser assustador. Então, temos que parar de perseguir um modelo de perfeição apenas para agradar ao mundo.

A necessidade de ser sempre bem avaliado transformou a vida em um grande palco. Somos todos atores representando papeis previamente calculados para impressionar os espectadores, mesmo que esses papeis não correspondam à realidade.

E a realidade é uma só; nada é simples quando se trata de seres humanos. O homem é uma criatura multifacetada. Um ser que não pode ser definido em uma única olhada. Habitamos um planeta com mais de sete bilhões de indivíduos que chamamos de semelhantes, mas que definitivamente não são iguais. Aquilo que não serve para outrem pode ser essencial para você.

Fazer ou não fazer, realizar ou não um desejo, é decisão de cada um, o que não se pode é ignorar aquilo que sentimos ou desejamos mesmo que, num primeiro momento, tal desejo ou sentimento pareça contrário à nossa natureza.

A filosofia procura mostrar que não se deve menosprezar nenhum traço do nosso caráter, por mais assustador que ele possa parecer, pois só conhecendo e assumindo esses traços iremos adquirir a autoconfiança que caracteriza a maturidade da existência.

Ou seja, antes de querer extirpar um pensamento ou renegar nossa natureza empurrando parte daquilo que sentimos ou desejamos para a sombra, devemos analisar se o melhor não seria valorizar a Idiossincrasia quenos torna únicos.

É DO CHOQUE DOS CONTRÁRIOS QUE NASCE A MAIS BELA HARMONIA!

Julio Kadetti


Julio Kadetti

Filósofo

 Julio Kadetti é escritor, roteirista, filósofo graduado pela Universidade Mackenzie e Sociólogo Pós graduado pela Universidade Gama Filho.

Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.